(48) 3221-2726
imprensapadrepedro@gmail.com
Sala de Imprensa

Você está em: Início  Sala de Imprensa  Legalização da venda de vinho colonial…

 Legalização da venda de vinho colonial aprovada na Alesc
Publicado em 07 de Junho de 2018

Foi aprovado por unanimidade, na tarde de quarta-feira (6), o projeto de lei 253/2017, que institui um tratamento simplificado para microprodutores de vinho (até 20 mil litros). A proposta já havia passado nas três comissões permanentes em que foi analisado, e segue para sanção do governador do Estado. O projeto, que beneficia pequenos agricultores impedidos de comercializar o “vinho colonial”, já é lei no Rio Grande do Sul, principal produtor de vinho brasileiro.

Segundo Padre Pedro, a sugestão do projeto surgiu dos próprios agricultores que historicamente produzem o vinho colonial. O texto prevê a comercialização na propriedade, em feiras livres e em cooperativas, no caso de famílias com vínculo associativo. “A partir da sanção desse projeto nós já vamos iniciar a articulação para avançar em outra questão, que é a comercialização com nota de produtor rural, que amplia os espaços de comercialização para estes microprodutores”, afirma o parlamentar.

O projeto foi apresentado pelo deputado em 2017 com o objetivo de resolver um impasse que já dura décadas para a agricultura familiar e camponesa do Estado, que tem na produção do vinho colonial um importante complemento de renda. Na prática, a mudança inclui a vinicultura e a vitivinicultura na Lei Estadual 16.971/2016, que prevê tratamento favorecido e simplificado para microprodutores rurais.

A medida já foi adotada no Rio Grande do Sul desde 2014, mas somente neste ano saiu do papel e garantiu a regularização de um grande mercado que assegura renda para a agricultura familiar e camponesa, principalmente na região da Serra Gaúcha.

Legislação

Conforme Padre Pedro, a Lei Federal 12.959, de 12 de março de 2014, tipificou o vinho produzido por agricultor familiar, estabeleceu requisitos e limites para a sua produção e comercialização, além de definir regras para o registro e a fiscalização do estabelecimento do produtor. Esta legislação concede tratamento diferenciado na produção de vinhos da agricultura familiar, e a reconhece como um patrimônio cultural das regiões onde é predominante, em especial Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Depois disso, em 2016, a lei complementar 155 incluiu as pequenas empresas produtoras de vinho no Simples nacional, reduzindo sua carga tributária. A legislação também prevê a adoção de um rótulo simples, com informações básicas sobre o produto.

“Com a proposta nós alcançamos a agricultura familiar, que em sua maioria não possui CNPJ ou não é Microempreendedor Individual (MEI)”, explica o parlamentar. “A saída que encontramos aqui em SC foi a inclusão da produção de vinho da agricultura familiar nos efeitos da Lei 16.971, que institui o tratamento simplificado para o microprodutor primário”, complementa.



Deputado Estadual Padre Pedro Baldissera - Política a Serviço da Vida. © 2018. Todos os direitos reservados.

Acessar Webmail